domingo, julho 22

Crítica: A Garota Que Conquistou o Tempo (2006)




Por Maurício Owada

Makoto é uma garota japonesa comum, está no último ano do colegial e não sabe o que deseja para o futuro, e junto com Chiaki e Kousuke, formam um inseparável trio que jogam baseball, vão cantar no karaokê e compartilham da mesma dúvida em relação ao que vão fazer dali para frente. Um dia ao fazer uma de suas tarefas diárias, acaba escorregando em um laboratório comum de escola e batendo seu cotovelo em um pequeno dispositivo, que lhe faz ter uma estranha visão relacionada a números e tempo. Então, voltando da escola após um dia de muito azar, para completar, ela está descendo uma baita descida de bicicleta, e descobre que o freio não funciona e na frente há um cruzamento de trens, o que acarreta em um acidente fatal, batendo na cancela e sendo arremessada em meio aos trens que cruzavam; porém, algo acontece e ela volta tempos instantes do acidente, mas desta vez acaba trombando em uma senhora, onde tal acontecimento impede o acidente. Makoto está consciente deste "salto temporal" que houve, e percebe que momentos em que ela é arremessada ou ela se joga com grande impulso, neste intervalo, a faz voltar por instantes num ponto do passado, e nisso ela vê a chance de mudar os acontecimentos ocorridos como por exemplo, comer o pudim na geladeira que sua irmã tinha comido antes, ou ajudar um amigo seu a sair com uma garota tímida que gosta dele.

Lidando com questões da adolescência nessa idade, como a decisão sobre o futuro e maturidade, o filme lida com essas questões de forma sensível, e apesar de ser uma animação, seus diálogos abrangem coisas do dia-a-dia como os xingamentos entre amigos, aquelas conversas íntimas que você só troca com verdadeiros amigos num momento de muita insegurança e indecisão. E o roteiro dá um tratamento especial para cada personagem, como Makoto é uma menina de mais amigos do que amigas, demonstrada em sua personalidade mais "muleca", enquanto Chiaki é o zoador da turma e Kousuke é o rapaz sério e disciplinado. A sua pegada é para o lado da ficção-científica, apesar de que tal gênero não é muito destacado no filme, focando mais nos personagens e na história. Os momentos de "salto temporal" são engraçados, e não repete piadas, onde a graça está nas brincadeiras comuns que acontecem no colegial, porém, por ser uma história sobre viagem no tempo, acaba tendo certos clichês, como por exemplo, a simples alteração em algum evento por mais bobo que seja acaba virando uma consequência mais grave, como já vimos em filmes como De Volta Para o Futuro (Back to the Future, 1985), mas toda essa parte é bem trabalhada e não inventa "firulas temporais" para parecer mais inteligente e se tornar mais complicado.

A animação é boa, apesar de não ter o selo Studio Ghibli de qualidade, há uma preocupação nos detalhes, seja no design de cenários, nos gestos e movimentos de personagem e "figurantes", ou na sonoplastia que reproduz de forma excelente as tardes tranquilas das ruas japonesas, além de que a animação utiliza de técnicas diferentes como a do ocidente para criar uma sensação de tridimensionalidade, principalmente na cena em que o tempo "para", o que acarreta em um longa feito com todo o requinte especial dos japoneses.

Avaliação: 8,0


12 comentários:

  1. Vou ver nesses próximos dias, têm ele online ^^

    ResponderExcluir
  2. estou caçando este anime, mas não acho nenhum site para baixar ou assistir online. Me ajudem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenta no site anitube.jp... tem legendado por lá, ainda, espero...

      Excluir
  3. Acabou de passar na HBO...Que filme liiiiiindo!!!! Não saí da cadeira por nada. Só não gostei do final, tava na cara que ela não tem chance de fazer parte do futuro do Chiaki. u.u Confesso que cortei algumas cebolas.

    ResponderExcluir
  4. Acabou de passar da HBO de novo... terminou faz 5 minutos. É um filme que prende a atenção. E quando acaba fica aquele gosto melancólico na boca.

    ResponderExcluir
  5. E acabou de passar na HBO de novo... Um filme muito lindo que me deixou hipnotizada. Confesso que chorei e concordo totalmente com o comentário acima.

    ResponderExcluir
  6. Acabou de passar em um canalzinho ai, não lembro o nome mas esse filme de deixou triste, chorei duas vezes vendo e uma terceira quando acabou , para mim o final ficou meio sem sentido, ficou um final meio triste, meio feliz, um final sem complemento que esta me deixando encafifado ate agora.

    ResponderExcluir
  7. Acabou de passar na max z.z mas nao gostei do fim. Muito confuso, nada a ver

    ResponderExcluir
  8. OTIMOO,um dos poucos animes que amei,so achei o final mto triste,fica cm gosto de quero mais :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo muito com você. Vi ontem e veria mais umas duas horas de boa. Final meio triste mesmo. Queria muito ver mais dessa historia.

      Excluir
  9. Uma obra prima ... Despretensioso e impactante no final.

    ResponderExcluir

Aqui é o seu espaço, pode deixar seu comentário, sugestão ou crítica que logo iremos respondê-lo!